EUA e BAD estreitam laços para impulsionar a produção alimentar

0
211

Abidjan (IKWELI) – O Secretário de Estado Antony Blinken, dos Estados Unidos e o Presidente do Banco Africano de Desenvolvimento, Akinwumi Adesina, destacam os esforços de África para se alimentar a si própria e ao resto do mundo, congratulando-se com o aumento do apoio e do investimento em iniciativas africanas.

O Secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken, elogiou o Grupo Banco Africano de Desenvolvimento pelos esforços excepcionais que está a realizar para ajudar África a alimentar-se a si própria e ao resto do mundo.

“Está a ser feito um trabalho extraordinário para chegar a um ponto em que África se alimente a si própria e em que África alimente o mundo. Estou convencido de que isso pode acontecer”, afirmou o Secretário de Estado Blinken durante uma visita ao Presidente do Grupo Banco Africano de Desenvolvimento, Akinwumi A. Adesina, em Abidjan, na terça-feira da semana passada. Os dois encontraram-se na sede do AfricaRice – um centro pan-africano de excelência para a investigação, desenvolvimento e reforço de capacidades no sector do arroz, que implementa os programas agrícolas do Banco.

Ao dar as boas-vindas ao Secretário Blinken, o Presidente Adesina afirmou que “esta é a primeira vez que um Secretário de Estado dos EUA visita o Banco Africano de Desenvolvimento e o seu trabalho. A visita do Secretário Blinken é histórica e dá um grande impulso ao nosso trabalho para alimentar África. Aplaudo a forte liderança e o empenho do Secretário Blinken na segurança alimentar e aguardo com expectativa a oportunidade de trabalhar em estreita colaboração com ele e com o Governo dos EUA para fazer avançar os nossos esforços conjuntos no sentido de apoiar África a alimentar-se a si própria e a ajudar a alimentar o mundo”.

Agradecendo aos EUA pelo seu apoio às principais iniciativas agrícolas do Grupo Banco, Adesina disse, ainda, que “aplaudo o trabalho que o Presidente Biden está a fazer em prol da segurança alimentar mundial. Estou muito satisfeito com a parceria que temos com o Governo dos EUA para nos ajudar a avançar na segurança alimentar em África”.

Adesina, também, agradeceu ao Secretário Blinken por uma nova subvenção de 9,5 milhões de dólares para apoiar a iniciativa Tecnologias para a Transformação da Agricultura em África, ou TAAT, do Banco. A subvenção, que faz parte da iniciativa global contra a fome “Feed the Future’ do Governo dos EUA, será utilizada para a segunda fase do programa do Banco, denominada TAAT II, para ajudar os países africanos a aumentar a produção alimentar, introduzir tecnologias inteligentes em termos de clima e expandir os serviços de extensão.

Até à data, o programa TAAT já distribuiu tecnologias agrícolas resistentes às alterações climáticas e fertilizantes a 13 milhões de agricultores africanos em 40 países africanos, para ajudar a aumentar a produção alimentar e a segurança alimentar do continente. A subvenção da USAID ajudará a alargar ainda mais o alcance da TAAT II.

Os Estados Unidos trabalharão com o Banco Africano de Desenvolvimento para identificar oportunidades de parceria com as atividades da Visão para Culturas e Solos Adaptados (VACS) do Departamento de Estado dos EUA e desenvolver uma estratégia de investimento.

A TAAT tem por objetivo duplicar a produtividade das culturas de base, da pecuária e das pescas, disponibilizando tecnologias comprovadas a mais de 40 milhões de produtores agrícolas até 2025. Isto permitirá produzir mais 120 milhões de toneladas de alimentos.

Aludindo a esse trabalho, Blinken disse que “o Banco Africano de Desenvolvimento está a fazer os investimentos necessários na produção sustentável de uma forma inteligente e eficaz e, juntamente com o seu programa AfricaRice, a maximizar as colheitas e a produzir culturas capazes de resistir às alterações climáticas”.

Igualmente, o Secretário de Estado dos EUA disse que “aplaudo o Banco e a vossa liderança pelo impacto poderoso e inspirador das vossas iniciativas. Estão a dar um exemplo aos outros sobre a forma como um banco é gerido”.

Além de culturas como o arroz, o Secretário Blinken disse que o governo de Joe Biden

estava convencido de que existe um enorme potencial em investir na produção de culturas que são resistentes ao clima e altamente nutritivas, incluindo alguns dos alimentos tradicionais negligenciados em África.

O Banco lançou a iniciativa AfricaRice em 2018 para impulsionar a produção de arroz. Conta agora com 28 países membros em toda a África, dos quais cerca de 15 esperam alcançar em breve a autossuficiência em arroz.

“Desde 2018, a produção de arroz aumentou 25% e os meios de subsistência mais de 31%”, afirmou o Diretor-Geral da AfricaRice, Baboucarr Manneh, que também participou na visita.

Os Estados Unidos da América são o segundo maior acionista de todos os países membros do Banco Africano de Desenvolvimento e o maior contribuinte em termos cumulativos para o Fundo Africano de Desenvolvimento, que concede financiamento concessional aos países mais pobres de África. Durante a visita, o Presidente Adesina destacou o impacto sustentável do investimento dos Estados Unidos nas operações do Banco que se alinham com as prioridades partilhadas em África.

O Banco e o Governo dos EUA partilham um longo historial de colaboração, orientada para os resultados, em diversas áreas, incluindo a segurança alimentar que “em dezembro de 2022, os Estados Unidos anunciaram 15 milhões de dólares para apoiar o Mecanismo Africano de Produção Alimentar de Emergência do Banco, introduzido em maio de 2022 em resposta às interrupções no fornecimento de alimentos em todo o continente decorrentes da guerra Rússia-Ucrânia. A transformação agrícola, onde “o Governo dos EUA também prometeu recentemente apoiar o Programa de Financiamento do Risco de Catástrofes em África (ADRiFi) para ajudar as nações africanas a serem mais resilientes a choques climáticos, como inundações e secas”.

Os Corredores, em que “os EUA e o Banco Africano de Desenvolvimento estão entre os signatários de um memorando de entendimento que junta parceiros globais para mobilizar recursos para o Corredor do Lobito. Quando estiver concluído, o programa ferroviário e rodoviário expandirá um corredor económico que liga Angola, a República Democrática do Congo e a Zâmbia aos mercados globais. O programa também proporcionará oportunidades para o desenvolvimento da cadeia de valor agrícola que utiliza as infraestruturas de transporte ao longo do Corredor do Lobito. O Banco comprometeu-se a conceder 500 milhões de dólares para apoiar este projeto”. O Banco está também a trabalhar com os EUA e outros parceiros de desenvolvimento para aprovar e financiar corredores em todo o continente.

O Grupo do Banco Africano de Desenvolvimento contribui para o desenvolvimento económico sustentável e o progresso social dos países africanos. O Banco atua em torno de cinco prioridades estratégicas: Industrializar África, Integrar África, Iluminar e Eletrificar África, Alimentar África e Melhorar a qualidade de vida das pessoas em África. (Redação)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui