Canadá disponibiliza 500.000 dólares canadianos para apoiar os esforços de reintegração e reconciliação em Moçambique

0
44

Pemba (IKWELI) – A Embaixadora do Canadá para a agenda Mulheres, Paz e Segurança (MPS), Jacqueline O’Neill, acompanhada pela Alta Comissária do Canadá em Moçambique, Sara Nicholls, anunciou ao meio dia desta quarta-feira (21), na cidade de Pemba, província de Cabo Delgado, a disponibilização de 500.000 dólares canadianos para apoiar os esforços de reintegração e reconciliação em Moçambique.

Desde a assinatura do Acordo de Maputo para a Paz e Reconciliação Nacional em 2019, o governo, a RENAMO e o povo de Moçambique tomaram medidas importantes para abrir um caminho para a paz e a segurança.

O Canadá orgulha-se de ter apoiado o acordo de paz desde o seu início e aplaude o Secretariado do Processo de Paz e o Gabinete das Nações Unidas para os Serviços de Projectos pela sua dedicação em garantir que todas as partes interessadas pudessem cumprir os seus compromissos.

Dirigindo-se a grupos da sociedade civil na passada segunda-feira em Maputo, a Embaixadora O’Neill elogiou o papel de Moçambique na agenda de Mulheres, Paz e Segurança a nível regional e global através do seu assento no Conselho de Segurança das Nações Unidas, afirmando ainda que “a paz não é a assinatura de um acordo, mas sim o trabalho árduo que está a decorrer neste momento. O Canadá vê, reconhece e é solidário com Moçambique”, por isso o Canadá anunciou “uma contribuição financeira adicional de $500.000 dólares canadianos para o fundo em prol do processo de paz em apoio aos esforços de reintegração e reconciliação. Este financiamento adicional eleva a contribuição total do Canadá para o processo de paz nacional em Moçambique para $5M CAD desde 2019”.

Segundo O’Neill, “o Canadá continua empenhado em apoiar Moçambique nos seus esforços contínuos para construir comunidades prósperas, inclusivas e pacíficas, nomeadamente através da reconciliação em curso, da descentralização, da promoção da igualdade de género na construção da paz e da proteção dos direitos humanos”. (Redação)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui