Nampula: Chuvas continuam a deixar famílias ao relento

0
191

Nampula (IKWELI) – Duas casas de construção precária pertencentes a mesma família, no bairro de Namiepe, nos arredores da cidade de Nampula, ficaram completamente destruídas em consequência das chuvas ocorridas na noite do último domingo (7).

Como resultado, cinco (5) pessoas passaram a noite ao relento, debaixo da chuva e sujeitas a picadas de mosquitos.

No local, o Ikweli conversou com Neyma Chaguala, uma das filhas da família vítima, a qual contou que os seus pais tinham saído em busca de ajuda junto de parentes mais próximo.

Com a ajuda dos vizinhos, a jovem ia removendo dos escombros o que podia ainda ser salvo.

“Antes da chuva, as casas já estavam em perigo, porque tinham uma racha grande na parede”, disse uma das vizinhas da família, sublinhado que a “já tínhamos alertado a estes vizinhos sobre este perigo”.

Momade Muhala disse que acompanhou gritos de socorro pouco depois das 23h, o que fez com que saísse em ajuda as vítimas. “Eu pensei que fosse ladrão que estava a invadir a casa deles, mas depois percebe que a casa é que tinha caído e nem deu para recuperar os bens deles, o bom é que quando pediam socorro ainda estava a chuviscar”.

Foi esta fonte que comunicou as lideranças locais sobre o incidente, mas disse que, tanto o secretário do bairro, assim como o seu adjunto, não se fizeram ao local.

Enquanto isso

O Instituto Nacional de Gestão do Risco de Desastres (INGD), em Nampula, afirma que, pelo menos, 5 pessoas já perderam a vida e 71 casas ficaram destruídas, desde que começou a época chuvosa em toda a província de Nampula.

Anacleta Botão, delegada do INGD em Nampula, recorda que mais de 130 mil pessoas poderão ser afectadas pelos eventos decorrentes da época chuvosa 2023/2024.

“Em termos de padrão, consideramos a precipitação dentro dos padrões normais, mas temos tido alguns impactos negativos resultantes destas precipitações, sobretudo das casas destruídas e algumas famílias estão desalojadas, e por outro lado junto com os governos distritais, o INGD tem dado assistência as famílias afectadas”, disse esta fonte, assegurando que “ainda não atingimos o pico”.

Anacleta Botão revelou que os distritos mais propensos são os de Moma, Malema, Mogovolas, Mogincual, Ribáuè, Nacala e distrito de Nampula, os quais “estão a merecer a nossa atenção do momento, e para o distrito de Nampula concretamente estamos a ter informações que temos famílias afectadas e óbitos, mas há uma equipa no terreno a fazer um trabalho de monitoria e verificação dessa informação e oportunamente iremos partilhar e vamos incluir na nossa base de dados”.

Através de comités locais de gestão do risco e desastre, a delegada Anacleta assegurou que as comunidades têm vindo a ser sensibilizadas. (Malito João e Virgínia Emília)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui