Ministro Moreno entende que a utilização do milho para produção de cerveja pode desestabilizar o consumo humano em Nampula

0
406

Nampula (IKWELI) – O ministro moçambicano da Indústria e Comércio, Silvino Moreno, entende que a utilização do milho na produção da cerveja e ração animal na província de Nampula pode desestabilizar a disponibilidade do produto para o consumo humano.

Moreno esteve na cidade de Nampula na semana passada, onde participou numa reflexão sobre o papel da produção e da comercialização de cereais na renda e na segurança alimentar e nutricional de pequenos produtores e lançamento do estudo da cadeia de valor de milho.

Face a situação, o governante referiu que decorre o controlo de saída do milho e apela a necessidade de melhoramento da tabela logística de transporte para a garantia da maior produção e consumo.

“O milho é o produto de maior consumo na zona norte, também é o milho que tem pressão sobre a ração dos animais e a cerveja, portanto, a produção nos últimos anos está a crescer, mas não é suficiente devido a questão de produção e uso do milho para a cerveja que criou uma pequena desestabilidade ao consumo humano. A indústria da cerveja está a consumir mais ao menos 30% de produção e este é o desafio, também temos o aumento da produção agrícola e o milho é usado para ração animal, e este equilíbrio deve ser encontrado”, disse, recordando que “o cultivo de milho difere de outras culturas, como por exemplo a soja, uma vez que exige, em primeiro lugar, um maior investimento no que tange a insumos e em segundo lugar infraestrutura, limpeza e secagem, igualmente, armazenagem e conservação adequada. É preocupação do governo de Moçambique incrementar a produção e produtividade do milho, com vista a melhorar a sua contribuição para reversão da posição negativa da balança comercial no desmembramento do agro-negócio e tornando uma verdadeira segurança alimentar de produção e consumo nacional. Na campanha 2022-2023, foram comercializados 17.6 milhões de toneladas de produtos diversos, correspondente a um crescimento em 22% relativamente a campanha anterior e cerca de 28% desta comercialização foi de milho”

O ministro de Indústria e Comércio afirmou, ainda, que, no âmbito do melhoramento da capacidade de captação, armazenamento, tratamento e conservação agrícolas, assim como outras utilidades para cuidado da comercialização agrícola, o Instituto de Cereais de Moçambique tem privilegiado a construção e reabilitação de armazéns em lugares estratégicos para dinamização do processo.

“A instituição tem estado a monitorar o processo de reabilitação e operacionalização dos complexos dos seus armazéns para gestão público e privada, e neste âmbito está também a gerir uma linha de crédito para comercialização agrícola, onde foram financiadas 334 operações num montante de 391 milhões de meticais”, concluiu Moreno. (Nelsa Momade)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui