Home ACTUALIDADE Nampula: PRM alerta que vai agir caso haja tentativa de desestabilizar a...

Nampula: PRM alerta que vai agir caso haja tentativa de desestabilizar a ordem pública

0
458

Nampula (IKWELI) – A polícia da República de Moçambique (PRM), em Nampula, pronunciou-se face às manifestações realizadas esta sexta-feira (27) na capital provincial e Nacala, em que resultaram, só na cidade de Nampula em 9 feridos entre graves e ligeiros, e o porta-voz disse á jornalistas que a corporação vai continuar a intervir caso haja algum atentado a ordem pública.

Segundo o porta-voz da polícia, Zacarias Nacute, vários indivíduos foram detidos nas duas cidades, acusados de serem agitadores e o trabalho continua porque ainda há focos de manifestação, apesar da tendência de restabelecimento da ordem pública.

“A situação da ordem pública ao nível das oito autarquias, com principal enfoque para os municípios de Nampula e Nacala, neste momento começa a se restabelecer a ordem pública, no entanto logo no início da manhã  e com algumas situações ainda no final do dia de ontem existiram alguns focos de manifestação motivadas e movidas por alguns líderes e simpatizantes de algum partidos políticos, como forma de insatisfação dos resultados ontem publicados, por conta desta situação notamos que ouve barricadas montadas ao nível da via pública condicionando a livre circulação de pessoas. Houve arremessos de pedras contra viaturas e estabelecimentos comerciais, causando prejuízos avultados a cidadãos do bem”, disse Nacute que prosseguiu explicando que diante desta situação, a polícia viu-se obrigada a intervir, onde foram solicitadas todas a forças operativas, entre elas, a Unidade de Intervenção Rápida (UIR).

Face a situação que aquelas duas cidades politicamente importantes na província de Nampula registam, aquele porta-voz apelou para que os líderes dos partidos políticos mobilizem os seus membros para não pautarem pela violência, alertando que a polícia poderá agir caso haja alguma tentativa de desestabilizar a ordem pública.

A PRM questiona, no entanto, os motivos da Renamo não pautar por uma manifestação pacífica, tal como fez há dias em que teve a presença policial. (Adina Sualehe)