Pesca ilegal nas Ilhas primeiras e segundas continua a preocupar o governo

0
343

Nampula (IKWELI) – Continua sendo um grande desafio para o Governo moçambicano combater a pesca ilegal nas ilhas primeiras e segundas, localizadas entre os distritos de Pebane, na Zambézia e Moma, Larde e Angoche, na província de Nampula.

A proibição da prática da pesca nas referidas Ilhas locais é uma forma de salvaguardar a biodiversidade marinha, mas, mesmo assim, os pescadores não têm poupado esforços para exercerem as suas actividades naqueles locais, colocando em perigo a reprodução das espécies marinhas.

Em 2018, arrancou nas províncias de Nampula e Zambézia, um projecto do governo e parceiros designado por “Conservar a área de Protecção Ambiental das Ilhas Primárias e segundarias”, cujo um dos propósitos era, a sensibilização das comunidades com vista a garantir que os recursos marinhos e costeiros sejam geridos de forma sustentável.

Depois de cinco anos de implementação , o projecto encerrou  oficialmente nesta terça-feira (24) na cidade de Nampula, e da  avaliação que se fez pelos intervenientes é de que o projecto trouxe bons resultados para a conservação dos recursos das Ilhas Primeiras e Segundas, pelo menos para as comunidades locais, mas afirmam  que o desafio actual tem a ver com a prática desregrada de pesca , geralmente praticada por indivíduos vindo de outras partes do país , mesmo tratando-se de uma  áreas proibida.

A administradora da Área de Protecção Ambiental nas Ilhas primeiras e Segundas, disse que a falta de fiscalização nas ilhas constitui um dos factores para a pesca ilegal daí defende ser necessária a contratação de Homens para garantir a ordem nas  referidas zonas .

“Posso dizer que são bons resultados, com a contratação dos agentes comunitários para a conservação dos recursos naturais, apoiaram muito porque são áreas que não é permitida, estamos a falar lá dos recintos de corais, estamos a falar de espécie protegidas que estão lá. Então, essas agentes apoiaram-nos muito. Para além dos conselhos de gestão dos recursos naturais do próprio WWF apoiou. Então, foi uma mais-valia, alguma coisa positiva existe lá”, disse Ricardina Matusse, Administradora da Área de protecção Ambiental das ilhas Primeiras e Segundas.

“Algo está a diminuir, os nossos agentes não fazem apreensões, simplesmente fazem vigilância e comunicam. Como sabem, a nossa área ainda não tem fiscais, nós, no projecto Promove, vamos recrutar fiscais. Precisamos realmente de trabalhar com os fiscais, apresar de estarmos a trabalhar com CCP, onde esses aí fazem apreensões, mas nesse momento não posso em 100%, mas alguma coisa está a mudar porque nós estamos a trabalhar mais na educação ambientais”, prosseguiu Ricardina Matusse.

Questionada a fonte sobre a prevalência ou não dos pescadores ilegais ao longo das áreas proibidas, frisou que “os Ilegais existem. Nós bem sabemos que esta área é saneável, temos tais reservas integrais onde não se deve pescar, mas temos lá os pescadores, sobretudo os semi-industriais, das empresas que que usam arpão, eles destroem os recintos, são essas áreas que não se pode pescar. Temos esse desafio, talvez, somente com o recrutamento dos fiscais podemos reduzir. Numa primeira fase nós vamos recrutar 30 fiscais, e nesses 30 fiscais nós estamos a incluir também os marinheiros, mas não é um número suficiente, estamos a falar mais de um milhão de hectares, então iriamos precisar acima de 200 fiscais, mas numa primeira fase vamos recrutar esses 30, mas alguma coisa irá mudar”, acredita a dirigente.

Discursando na abertura do evento, o Secretário de Estado na província de Nampula, Jaime Neto, enalteceu o trabalho levado a cabo com vista a salvaguarda dos recursos naturais nas áreas abrangidas. Aliás, para Neto, conservar os recursos em causa é garantir o futuro das gerações vindouras bem como o desenvolvimento sustentável do país.

Por outro lado, Jaime Neto frisou a necessidade do contínuo trabalho coordenado para o alcance dos resultados desejados, sobretudo na gestão criteriosa dos recursos, o que vai proporcionar na contribuição para a qualidade de vida das comunidades e o desenvolvimento do país “O nosso futuro e de planeta depende de nós”, recordou Jaime Neto para quem “a conservação é um esforço contínuo”, pelo que disse ser necessário a promoção do combate às ameaças marinhas, redução da pressão do ecossistema, bem como as mudanças climáticas. (Constantino Henriques)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui