Pacientes “apoiam” greve dos médicos no HCN

0
350
O jovem extorquia os pacientes em troca dos beneficios que tem como doador de sangue

Nampula (IKWELI) – Alguns pacientes que procuram serviços de saúde no Hospital Central de Nampula, maior unidade sanitária da região norte de Moçambique, consideram legítima a terceira greve que está a ser levada a cabo pelos médicos a escala nacional desde o dia 10 do corrente mês.

Os pacientes reagem, a paralisação das actividades da classe que terá a duração de 21 dias prorrogáveis, considerando que o governo pouco se importa com a saúde dos moçambicanos, por isso não atende as inquietações dos médicos desde a primeira greve que remota de 2013.

Nilza Pedro disse ao Ikweli que o atendimento é lento, pois chegou a pediatria do HCN, com o seu filho de sete anos, quando eram 05:00horas, para receber um atendimento. Entretanto, “já são 10 horas e o meu filho ainda não foi atendido. Hoje está um caos, e isso deve-se a greve dos médicos que no meu entender eles têm razão, na minha opinião o governo devia sentar e conversar se é questão de dinheiro resolvam, porque nós é que estamos a sair prejudicados nisso tudo”, lamentou.

Quem, também, denunciou morosidade no atendimento, apesar de haver assistência de médicos militares, é Dalila, que apela ao governo para resolver a situação dos profissionais de saúde.

“A saúde é muito importante, nada podemos fazer sem a saúde. Então é melhor verificarem a situação para que eles possam ter motivação de trabalho. Pois a greve é extremamente legitima, porque eles recebiam mais e agora estão a receber menos e não tem como trabalhar”, afirmou.

João Miguel, outro paciente, disse que os médicos têm razão e aconselha ao governo a minimizar as preocupações da classe médica. “Para eles fazerem essa greve é porque existe algo que estão a sentir. Não é normal o que está a acontecer nesse país, parece que o governo não se importa com os doentes”, afirmou.

Cecília Chumbo, paciente encontrada no Banco de Socorros, disse que o atendimento não está pior porque médicos militares estão no local para ajudar. “O governo deve honrar com os compromissos, porque quando não o fazem, colocam em causa aquilo que é a saúde da população, nós não temos dinheiro para recorrer as clínicas, isso é um serviço público. Essa situação faz-nos perceber que o governo não se importa connosco”.

O HCN continua indisponível para se pronunciar sobre o assunto. Importa lembrar que a terceira paralisação é justificada pelos cortes salariais com aplicação da nova tabela salarial, falta de pagamento de horas extras, entre outros. (Ângela da Fonseca)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui