Mossuril a braços com a erosão costeira

0
379

Mossuril (IKWELI) – O fenómeno da erosão costeira no distrito de Mossuril, na província de Nampula, constitui uma ameaça para o meio ambiente, incluindo infra-estruturas públicas e privadas.

Segundo apurou o Ikweli, os postos administrativos de Chocas Mar, Matibane e Lunga são os mais afectados, incluindo a vila sede, onde as instalações do Governo do distrito, também, estão em risco de serem engolidas pelas águas do mar.

A igreja da paróquia da Nossa Senhora da Conceição, localizada no bairro de Namiripe, no posto administrativo de Chocas Mar está, também, em perigo, e caso medidas não sejam tomadas para reverter o cenário a mesma poderá desabar.

Larison Mulipiha, residente de Namiripe, diz que “vivo neste bairro desde 2009 e antigamente havia um murro de vedação que protegia as nossas casas da erosão provocada pela água do mar”, mas a “chegada das tempestades trouxe grande preocupação e deixou as nossas casas em risco”, tanto é que “gostaríamos que o nosso governo pudesse trazer meios para minimizar o problema que vivemos”.

“Estamos cientes do perigo e nos sentimos ameaçados com isso. Os nossos filhos quando vão brincar correm o risco de caírem nas covas provocadas pela erosão, apesar de proibi-los a brincar fora do quintal da casa”, narra Rosa Viagem, também, residente de Namiripe.

O padre Cabral Gustavo, da paroquia Nossa Senhora da Conceição de Mossuril, não esconde a sua preocupação e diz que a erosão é uma preocupação que está acima das capacidades da paróquia, por isso pede apoio a todos para que os patrimónios ali existentes sejam protegidos.

“Com a vinda do ciclone tropical Kennedy e Gombe, piorou a situação de erosão e o próprio teto da igreja precisou de uma reabilitação e fez se algum trabalho”, começa por explicar o clérigo, prosseguindo que “a erosão está acima da nossa capacidade e estamos muitos preocupados e batemos algumas portas para conseguir ultrapassar ou impedir a situação e até então não temos a solução. Acreditamos que o governo tenha conhecimento da erosão e sem dúvidas a igreja pode se destruir”.

Esta fonte religiosa entende que o governo está apático perante a situação, e que “a outra igreja que é a da Cabeceira Grande, que pertence o património do Estado, também está em risco e nós como igreja não sabemos se podemos avançar ou esperar a eles. No total são duas igrejas em risco de destruição”.

Entretanto, o chefe da repartição de Gestão Ambiental nos Serviços Distritais de Planeamento e Infra-estruturas de Mossuril, Abdul Jamal, refere que uma das principais causas da progressão da erosão é a invasão do mangal pela população.

Esta fonte governamental anota que o tem promovidos acções de sensibilização para que a população pressione pouco o uso dos mangais, porque uma intervenção técnica e mais robustas será onerosa e que o governo local não dispõe de fundos para o efeito.

“A construção de salinas foi abatendo o mangal”, esclarece o nosso entrevistado, que associa, também, o abate de mangal para fins de construção de habitação.

“Temos uma igreja muito emblemática para Moçambique, ela está, na verdade, no canal marítimo e foi construída com engenharia da era do colono. É uma infraestrutura com grande problema, isso acontece numa altura em que houve abate de muitos mangais”, concluiu Abdul Jamal. (Nelsa Momade)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui