Jovens do cruzamento de Naguema sobrevivem da venda de espetos

0
77

Nampula (IKWELI) – Os jovens da localidade de Naguema, no posto administrativo sede do distrito de Mossuril, província de Nampula, no norte de Moçambique, recorrem a venda de espetos de galinha, popularmente conhecida por “galinha macua”, como forma de superar os impactos negativos causados pelo desemprego, cujos níveis continuam a preocupar até as próprias autoridades governamentais.

Um jovem que se identificou como Joanito Mahando, de 25 anos de idade e chefe de uma família, é exemplo de tantos outros que superam as dificuldades da vida vendendo o espeto de galinha. Ao Ikweli ele contou que está há quatro anos a desenvolver aquela actividade.

“Já fiz a minha 12ª classe, mas está difícil a gente ter emprego aqui em Naguema, talvez vocês de lá na cidade têm facilidades de muitas coisas. Aqui muitas pessoas terminam os estudos, mas não conseguem trabalhar. Por isso, cada um faz aquilo que pensa para, pelo menos, ter alguma coisa para lá em casa”, refere Joanito Mahando.

Os principais clientes de espeto em Naguema são os próprios nativos, bem como os passageiros, quando os transportadores param no local.  Aliás, Joanito Mahando disse ser grato pelo resultado do seu trabalho, mas reiterou que o seu desejo é mesmo um dia conseguir formar-se como professor, quiçá conseguir emprego.

“As pessoas tem comprado sim, apesar de algum tempo termos poucos clientes, mas é normal. Normalmente as pessoas que estão de viagem quando chegam aqui gostam de comprar espeto, mesmo as pessoas daqui de Naguema compram, outras pessoas para servir de petisco e outras até compram para servir de caril. Normalmente cada galinha costumamos comprar 150,00MT a 200,00MT, até pode chegar 300,00 MT, mas o nosso dinheiro costuma sair”, referiu o nosso interlocutor.

“Epah, a gente consegue esse pouco para comer, não é igual com aqueles que preferem roubar dizendo que não querem sofrer. Só ficamos mal quando chega um tempo em que é difícil acertar as galinhas, mas não paramos, temos ido comprar aquele frango vulgar. Por exemplo, está a aproximar o tempo em que as galinhas macuas morrem muito e aí é muito difícil ir nas comunidades e conseguir galinha para comprar”, refere Amisse Juma, um outro jovem vendedor de espeto.

Para além da venda de espetos, alguns jovens de Naguema promovem a prática de horticultura para alimentar o mercado local. Aliás, na sequência disso, em pleno mês de Setembro os produtos de origem hortícola, com destaque para tomate, repolho e quiabo, estão em abundância no famoso mercado de Naguema, em Mossuril. (Constantino Henriques)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui