Delegado da empresa Portos e Caminhos de Ferro de Moçambique (CFM) na Zambézia agride editor do Jornal Txopela

0
72

Quelimane (IKWELI) – O editor principal do Jornal Txopela e da Rádio Chuabo FM, Gil Borges Namelo, foi alvo de agressões físicas, no último Sábado (13.08.2022), pelo delegado da empresa Portos e Caminhos de Ferro de Moçambique na Zambézia, Agostinho Conde da Silva.

O facto ocorreu quando o jornalista, também editor da Rádio Chuabo FM, cobria uma presumível revolta de alguns munícipes que, no âmbito das comemorações dos 80 anos da cidade de Quelimane, que se assinala a 21 de Agosto, teriam instalado barracas para animar à efeméride, sob prévia autorização das autoridades municipais, na praça da Independência. Pelo facto de as barracas em referência terem sido construídas no espaço adjacente ao porto de Quelimane, o gestor da empresa exigiu a emoção das mesmas, o que gerou uma onda de insatisfação dos munícipes.

De acordo com o Jornalista agredido, o Presidente do Conselho Autárquico de Quelimane, Manuel Araújo, e o Delegado dos CFM, Conde Silva, deslocaram-se ao local do motim para uma reunião com os afectados pela decisão, como forma de acalmar os ânimos. Apercebendo-se que o Jornalista captara algumas imagens do encontro, o responsável da empresa Portos e Caminhos de Ferro de Moçambique partiu para agressão física do repórter, tendo igualmente retido o seu equipamento de trabalho.

Os gestores do Jornal Txopela tentaram, sem sucesso, negociar com o agressor a devolução do equipamento retido, tendo, posteriormente, contactado as autoridades judiciais que instruíram ao jornal a apresentar a denúncia junto da procuradoria distrital de Quelimane, esta Segunda-feira.

Posicionamento

O MISA Moçambique repudia este e qualquer outro tipo de agressão e apreensão ilegal do equipamento de trabalho de jornalistas. Faz lembrar, ainda, que é de lei e constitucionalmente consagrado o livre acesso às fontes e aos locais para a cobertura jornalística de eventos de interesse público. O MISA reitera que o exercício da profissão não deve, em nenhum momento, ser condicionada à vontade do protagonista dos factos, pelo dado que a profissão é regida por uma legislação e normas próprias.

O MISA exige, por outro lado, a devolução imediata do equipamento de trabalho do Jornalista, reiterando que este acto constitui uma grosseira violação da lei de imprensa e da lei do Direito à Informação. O MISA Moçambique faz saber que irá, em tempo útil, desencadear uma acção judicial para a responsabilização do protagonista deste atentado, para que mais uma vez este crime contra um dos pilares imprescindíveis do Estado de Direito Democrático não passe impune. (Redação)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui