Taxas de uniões prematuras duplicam entre crianças deslocadas pelo conflito de Cabo Delgado

0
168

Pemba (IKWELI) – As taxas de uniões prematuras aumentaram substancialmente entre as crianças empurradas pelo conflito armado para os centros de acomodação de deslocados e bairros de reassentamento, um pouco por todos os distritos de Cabo Delgado, de acordo com novos dados divulgados na manha desta terça-feira (17) pela Save the Children.

Entre Janeiro e Março de 2022, a agência registou 108 casos de uniões prematuras nos distritos de Pemba, Metuge, Chiúre e Montepuez, em comparação com 65 casos entre Outubro e Dezembro de 2021. Entre Janeiro e Março, o número de crianças recém-casadas aumentou de forma constante, de seis (6) crianças em Janeiro, 32 em Fevereiro e 70 em Março.

Agora no seu quinto ano e sem um fim imediato à vista, o conflito em Cabo Delgado causou um impacto humano devastador, com repetidos relatos de decapitações e sequestros, incluindo muitas crianças vítimas.

Os dados sobre uniões prematuras são obtidos por meio do programa de Protecção da Criança da Save the Children, que apoia crianças que enfrentam sérios riscos de problemas de saúde e bem-estar – incluindo casamento prematuro, negligência e problemas de saúde mental. O preocupante aumento de uniões prematuras é o resultado de uma combinação de factores, incluindo o sofrimento contínuo que muitas das famílias têm enfrentado vivendo em centros de trânsito ou os desafios de começar uma nova vida do zero em áreas distantes das suas origens. Muitos pais enfrentam a escolha devastadora de não poder alimentar a sua família ou abrigar todos os seus filhos e, em vez disso, têm que deixá-los se casar para aliviar a carga de cuidar.

Antes do conflito eclodir, a província de Cabo Delgado tinha já a segunda maior taxa de uniões prematuras e a maior taxa de gravidez na adolescência em Moçambique — 65% das adolescentes de 15 a 19 anos já são mães ou estão grávidas.

O conflito em Cabo Delgado levou ao deslocamento de 784,564 pessoas, incluindo cerca de 370,000 crianças. Agora, quase 1 em cada 3 pessoas são deslocadas internamente e muitas tiveram que fugir das suas casas várias vezes. A crise deixou 1,5 milhão de pessoas necessitadas, e há relatos contínuos de graves violações dos direitos humanos e da criança, incluindo assassinatos, sequestros, recrutamento e uso de crianças por grupos armados.

Diante deste factor, a directora da Save the Children International, Inger Ashing, disse que “encontrar crianças deslocadas e suas famílias esta semana em Cabo Delgado e ouvir o que elas passaram – o sofrimento, o trauma, o horror, o deslocamento – foi preocupante. Cabo Delgado já era o pior lugar em Moçambique para ser criança antes do início deste conflito; agora, com deslocações em massa e abusos horríveis, as coisas estão muito piores. As meninas são particularmente vulneráveis ​​e estão sendo casadas a uma taxa incrivelmente alta”.

Ainda citada num comunicado de imprensa distribuído pela organização, Ashing aponta que “quase meio milhão de crianças fugiram da violência e dividem casas com parentes distantes, às vezes mais de uma dúzia em uma única pequena residência. Elas estão fora da escola, seus pais não têm emprego e não há assistência médica, comida ou água suficientes. A situação é insustentável e desesperadora”, por isso “mais fundos são urgentemente necessários para atender às necessidades imediatas de crianças e comunidades, ao mesmo tempo em que se criam fluxos de financiamento sustentáveis ​​para trabalhar em soluções de longo prazo para resiliência duradoura e construir e manter a paz”.

A situação de segurança em Cabo Delgado continua volátil e imprevisível, com ataques aterrorizantes às comunidades por homens armados em curso. Em Janeiro, pelo menos 14,200 pessoas, incluindo pelo menos 6,800 crianças, fugiram de suas casas após novos ataques, incluindo decapitações e sequestros. Entre 23 e 29 de Março, mais 4,169 pessoas foram deslocadas, quase metade das quais eram crianças. Dos deslocados, 72% vivem em comunidades acolhedoras, enquanto 28% vivem em centros para pessoas deslocada.

A Save the Children é uma das principais agências de resposta à crise em Cabo Delgado, atingindo cerca de 302,000 pessoas, incluindo cerca de 174,000 crianças em 2021. O apoio da Save the Children é orientado a salvar e sustentar vidas de pessoas deslocadas internamente, comunidades acolhedoras e famílias, por meio de protecção da criança, educação, saúde, nutrição, meios de subsistência e intervenções nas áreas de água, saneamento e higiene, bem como programação de nexo humanitário-paz-desenvolvimento. Temos projectos em curso nos distritos de Pemba, Metuge, Chiúre, Montepuez, a sul, e abrimos recentemente novas operações em Mueda e Palma para responder em locais de difícil, acesso a norte.

“Considerando a natureza fluída da crise e a vulnerabilidade climática da província e do país, a Save the Children está preparada para apoiar nas províncias e distritos afectados pelo conflito”, conclui a nota de imprensa. (Redação)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui