Nas zonas urbanas: Proliferação de bombas de abastecimento de combustíveis pode ser um perigo no futuro

0
121

Nampula (IKWELI) – O surgimento massivo de novas bombas de abastecimento de combustíveis em Moçambique, sobretudo nas zonas urbanas, pode constituir um perigo para o meio ambiente no futuro, quando não haja considerados todos os procedimentos.

A cidade de Nampula, no norte do país, tem registado esta “febre”, sendo que a maioria não cumpre a distância mínima recomendável para a construção de infra-estruturas do género.

Há especulações diversas sobre a prática, não se descartando a hipótese da lavagem de dinheiro ilícito através do comércio a retalho de combustíveis na região.

E na última segunda (12), a cidade de Nampula acolheu um seminário de harmonização de procedimentos sobre o processo de licenciamento ambiental, uma iniciativa da Direcção Nacional do Ambiente, do ministério da Terra e Ambiente.

Foi nessa ocasião que Josefa Jissário, da Direcção Nacional do Ambiente, manifestou preocupação com a proliferação de bombas de combustíveis nos centros urbanos do país.

“Em Moçambique existem regras que devem ser cumpridas para a construção de um posto de combustível, mas actualmente nota-se uma grande proliferação de postos de abastecimentos e nesse caso as identidades competentes devem entrar em acção para a colaboração face a instalação de cada posto venda”, recomenda Jissário.

Esta fonte entende que muitas vezes, a demora na construção dos postos requeridos e licenciados faz com surjam novos projectos e com disponibilidade financeira para a instalação de novas unidades, o que faz com que, a posterior, o primeiro requerente e autorizado próximo construa a sua bomba próxima da existente.

Igualmente, aliado isso, segundo a nossa interlocutora, ocorre o derrame de líquidos lubrificantes nestes postos que, também, servem de estação de lavagem de viaturas. (Vânia Jacinto)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui