Home ACTUALIDADE Governo de Nampula mantém expectativas sobre uma boa campanha agrícola mesmo as...

Governo de Nampula mantém expectativas sobre uma boa campanha agrícola mesmo as tempestades tropicais

0
58

Nampula (IKWELI) – As depressões tropicais Ana e Gombe, que fustigaram a província de Nampula nos meses de Janeiro e Março do ano em curso, poderão não comprometer as metas de produção agrícola previstas pelo Conselho Executivo Provincial.

A campanha agrícola 2021/22 teve um começo desafiador, devido a queda irregular das chuvas, o que fez com que as sementes lançadas até o mês de Dezembro de 2021 não tivessem germinado. As poucas sementes que resistiram ao sol intenso, entretanto, foram atacadas por pragas.

Em quase toda a província de Nampula, refira-se, as chuvas começaram a cair com regularidade e abrangência no mês de Janeiro, mas as culturas viriam a ser devastadas pelas chuvas acompanhadas de ventos fortes dos ciclones Ana e Gombe.

“Estes eventos desafiaram o sector agrário e pesqueiro, e seus parceiros de cooperação, a redobrar esforços na minimização dos efeitos, destacando-se a alocação de sementes e material vegetativo para a multiplicação de modo a repor as áreas perdidas,  divulgação de mensagens sobre o prognóstico da estação chuvosa e recomendações técnicas face a estes eventos entre outras”, refere um documento da Direcção Provincial de Agricultura e Pesca de Nampula, apresentado na última terça-feira, durante o lançamento do Plano Operacional de Comercialização Agrícola da província de Nampula deste ano.

Para a presente campanha agrícola, segundo refere o mesmo documento, a província de Nampula planificou uma produção de cerca de 12 milhões de toneladas de culturas diversas, com destaque para cereais, leguminosas, raízes e tubérculos, hortícolas e culturas de rendimento. Através de várias acções, o governo de Nampula disse acreditar que a quantidade de produção estimada será alcançada.

Olhando a situação geral das culturas em campo, a província perspectiva uma boa safra agrícola e espera alcançar a produção planificada para a CA (Campanha Agrícola) 2021/2022 que é de 11.836.914 toneladas de culturas diversas”, refere o documento em referência.

“Estamos reunidos para testemunharmos o lançamento do plano operacional de comercialização agrícola da província para o ano de 2022, uma temática extremamente importante para o desenvolvimento da nossa província e que contribui directamente na renda dos agregados familiares na segurança e soberania da população e, também, do funcionamento das nossas agro-indústrias, concretamente na indústria alimentar. Enfim, uma temática que contribui em grande medida para a melhoria da qualidade de vida da nossa população na província de Nampula e da nossa economia de uma forma geral”, acredita Manuel Rodrigues, governador de Nampula, discursando no acto de lançamento do referido plano.

Manuel Rodrigues reiterou que “precisamos recuperar o decurso da campanha agrária até ao último detalhe, onde os extensionistas devem intensificar a assistência técnica aos produtores nos campos. Paralelamente, devemos capitalizar a segunda época aprovisionando sementes de hortícolas, material vegetativo como é o caso das ramas de batata-doce, estacas de mandioqueira, com vista a estacar eventuais focos de insegurança alimentar”, disse o governante.

Para o governador, “um acto similar deverá acontecer com o processo de comercialização dos produtos agrícolas privilegiando a organização dos produtores, comerciantes divulgando os preços dos produtos através de várias plataformas”.

Por outro lado, Manuel Rodrigues apelou maior vigilância para se evitar a compra da produção dos produtores a preços não justos.  “Queremos chamar essa atenção a todos para que sejamos vigilantes e divulguem de forma abrangente, usando as vias locais, os preços prevalecentes ao nível de comercialização, principalmente nos produtos de referência na nossa província de Nampula”, precisou acrescentando que “devemos igualmente assegurar o controlo da comercialização agrícola incentivando os produtores a não vender todo excedente agrícola”. (Constantino Henriques)