UNICEF necessita de perto de 10 milhões de dólares para apoiar crianças afectadas por conflitos e outras crises

0
130

Nova Iorque (IKWELI) – O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF, na sigla inglesa) lançou um apelo de financiamento de emergências no valor recorde de 9,4 mil milhões de dólares para alcançar mais de 327 milhões de pessoas – incluindo 177 milhões de crianças – afectadas por crises humanitárias e pela pandemia da COVID-19 em todo o mundo.

O apelo é superior ao do ano passado em 24 por cento, uma vez que as necessidades humanitárias continuam a aumentar.

“Milhões de crianças, em todo o mundo, estão a sofrer os impactos de conflitos, de eventos climáticos extremos e da crise climática”, disse a Directora Executiva do UNICEF, Henrietta Fore, citada no comunicado de imprensa distribuído pela organização a partir de Genebra.

Na mesma nota, Fore é citado apontando que “à medida que a pandemia da COVID-19 se aproxima do seu terceiro ano, a situação destas crianças agrava-se devido à instabilidade das economias e ao aumento da pobreza e da desigualdade. Como sempre, são as crianças que já vivem em situação de crise que são as mais duramente atingidas. Elas precisam de ajuda urgente”.

Segundo o mesmo documento, o “apelo inclui 2 mil milhões de dólares para a resposta do UNICEF no Afeganistão, onde 13 milhões de crianças precisam de ajuda humanitária urgente. Estas incluem 1 milhão de crianças que enfrentam desnutrição aguda grave, numa altura em que o sistema de saúde está à beira do colapso. O apelo do UNICEF ao Afeganistão é o maior apelo de sempre do UNICEF para um único país”.

“Serão atribuídos mais 933 milhões de dólares ao Acelerador de Acesso a Ferramentas COVID-19 (ACT-A), um esforço global para acelerar o desenvolvimento, produção e acesso equitativo a testes, tratamentos e vacinas para a COVID-19. Dado que a pandemia continua a criar disrupções na educação, saúde, nutrição e bem-estar das crianças em todo o mundo, fornecer as ferramentas necessárias para a controlar requer um apoio urgente”, esclarece o mesmo documento.

Por outro lado, o comunicado diz que “na África Oriental e Austral, as necessidades nunca foram maiores. O UNICEF necessitará de 1,09 mil milhões de dólares para prestar serviços que salvam vidas a 95 milhões de crianças na região, incluindo na Etiópia, onde 15,6 milhões de crianças precisam de ajuda humanitária e onde os violentos conflitos forçaram à deslocação centenas de milhares de pessoas no Norte do país, o UNICEF irá necessitar 351 milhões de dólares para continuar a salvar vidas. O Sul do Sudão (186,3 milhões de dólares), Moçambique (98,8 milhões de dólares), Somália (177 milhões de dólares), e Madagáscar (40 milhões de dólares) também precisam urgentemente de apoio humanitário”, mas para outros casos, “o UNICEF irá precisar adicionalmente de 909 milhões de dólares para a crise dos refugiados na Síria, outros 334 milhões de dólares para a crise na Síria, 484 milhões de dólares para a resposta no Iémen, e mais de 356 milhões de dólares para programas na República Democrática do Congo”.

O apelo de financiamento deste ano, o maior de sempre do UNICEF, surge também num contexto de escalada de conflitos que têm conduzido milhões de crianças e as suas comunidades para o precipício. Os ataques a crianças que vivem em países em conflito, incluindo ataques a infra-estruturas civis críticas para a sobrevivência das crianças, prosseguem a um ritmo alarmante. Cerca de 24.000 violações graves contra crianças foram confirmadas no ano passado, ou 72 violações por dia.

Também, as alterações climáticas estão a agravar a dimensão e a intensidade das emergências. O número de catástrofes relacionadas com o clima triplicou nos últimos 30 anos. Hoje, mais de 400 milhões de crianças vivem em zonas de vulnerabilidade hídrica elevada, ou extremamente elevada. (Redação)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui