Nampula regista redução do preço da farinha de milho

0
151

Nampula (IKWELI) – A população da cidade de Nampula, no norte do país, diz-se satisfeita pela redução significativa do preço da farinha de milho, um dos produtos de primeira necessidade mais procurados pelos consumidores e que garante o sustento das famílias locais.

Desde o início do primeiro trimestre do presente ano que o Conselho Executivo Provincial de Nampula, na pessoa do governador Manuel Rodrigues, veio ao público, através de órgãos de comunicação social, contestar o aumento sistemático dos preços de certos produtos, com destaque para o óleo de cozinha e a farinha de milho, produzidos e processados localmente. O facto lesou, igualmente, ao povo nampulense que ressentia-se da falta de condições económicas, associado ainda a baixa renda familiar.

Na sua abordagem, o governador prometeu interagir com os agentes económicos locais para encontrar um meio-termo a fim de mitigar o problema e dar o mínimo de conforto à população. Contudo, no começo do segundo trimestre ainda deste ano, a farinha de milho começou a conhecer um novo rumo, o preço baixou comparativamente aos preços anteriores, segundo apuramos em diversos centros comerciais da cidade de Nampula.

Actualmente, um saco de farinha de milho de 25 quilogramas chega a custar entre 850,00Mt (oitocentos e cinquenta meticais), 700,00Mt (setecentos meticais) e 650,00Mt (seiscentos e cinquenta meticais), conta os 1.600,00Mt (mil e seiscentos meticais), 1.400,00Mt (mil e quatrocentos meticais) e 900,00Mt (novecentos meticais) anteriormente praticados.

Para o caso dos sacos de 10 quilogramas, os preços, actualmente, variam entre 350,00Mt (trezentos e cinquenta meticais) a 280,00Mt (duzentos e oitenta meticais).

Esta redução é uma boa nova para os consumidores, os quais esperam que a situação prevaleça na quadra festiva, tal como refere o senhor Rafael Mário.

“O preço da farinha de milho não é tão alto como era antes. Sentimo-nos sufocados nos finais do ano passado e início deste, quando atingimos a casa dos 1.600,00 meticais de um saco de 25 quilogramas, então é de se alegrar por isso”, disse o cidadão.

Maria Helena é funcionária do Estado afecta no sector da educação, ela disse ter notado a diferença do preço da farinha de milho quando se dirigiu nos principais centros comerciais, isto comparando com um período de seis meses passados.

“Já consigo com os meus dois mil meticais comprar um saco de farinha de milho de 25kg, cinco litros de óleo de cozinha e se possível 10kg de arroz para sustentar os meus filhos, coisa que em Fevereiro e Março do ano em curso me era difícil fazer devido ao custo de vida bastante elevado, associado a subida de preços destes produtos. Agora parece estarmos bem”, referiu a nossa interlocutora que anseia o não aumento de preços, sobretudo, no período das festividades do Natal e da passagem do ano.

Por seu turno, Alfredo da Piedade Nampuio, director provincial da Indústria e Comércio em Nampula, disse que o governo tomou conhecimento, e tem a certeza que seja resultado das investidas de normalização do mercado por parte do Estado.

“Nós tivemos uma produção do milho muito satisfatória a nível da província e da região, isto na campanha agrária passada, para além de que os produtores acataram as recomendações que foram dadas tanto pela direcção provincial da Agricultura e Pesca, assim como a da Indústria e Comércio, no sentido de não vender o milho antes da sua total maturação. Como se sabe, os produtores colhiam a maçaroca, colocavam a secar e depois vendiam como se fosse o milho”, em consequência disso, “este grau não tem durabilidade  em termos de conservação e, se for a conservar, a produção da farinha era de má qualidade, o que trazia um prejuízo enorme tanto para o produtor, quanto a indústria e, consequentemente, ao consumidor”, explicou as razões da redução do preço da farinha de milho Alfredo Nampuio.

Após as constatações, Nampuio disse que um trabalho multissectorial foi desenvolvido no sentido de sensibilizar o produtor, o que resultou, actualmente, numa linha de estabilidade de produção e preço do milho. Com isso, “tanto o produtor, comerciante e o industrial estão satisfeitos. Contamos que esta prática permaneça para o resto dos tempos, porque é uma prática aceitável e que mostrou resultados positivos que todos nós ficamos satisfeitos. Hoje, com 300,00Mt meticais compra-se 10kg de farinha do milho”.

Refere-se que a cidade de Nampula conta com cerca de 30 fábricas de processamento de milho de grande dimensão, sem, no entanto, contar com as pequenas fábricas que existem ao nível das comunidades. Até porque, no entender do Nampuio, as pequenas unidades têm o pilador, bem como o processador, o que significa que mesmo nessas pequenas fábricas pode-se adquirir farinha de boa qualidade e fortificada. (Esmeraldo Boquisse)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here