Home ACTUALIDADE Campanha agrária 2021/2022: Nampula prevê aumento da produção em mais de 7%

Campanha agrária 2021/2022: Nampula prevê aumento da produção em mais de 7%

0
134

Nampula (IKWELI) – A província de Nampula, uma das maiores produtoras agrícolas do país, prevê um aumento da produção, na campanha agrária 2021/202, na ordem dos 7.4%, cujo lançamento teve lugar na última sexta-feira (12).

Segundo as autoridades governamentais da mais populosa província do país, este aumento, em termos concretos, representa uma produção estimada em mais de 11 milhões de toneladas de produtos diversos, dentre alimentares e de rendimento.

Manuel Rodrigues, governador de Nampula, foi a figura que liderou o lançamento da campanha no distrito de Meconta, e na ocasião mostrou-se optimista e confiante, justificando-se pela boa previsão na queda regular das chuvas, fonte principal do recurso água usado na produção agrária naquele ponto do país.

De acordo com o governante, o prognóstico é associado não só pelos factores físico ou naturais, como também pelo investimento e maior atenção que o governo presta ao sector agrário no país e na província de Nampula, em particular, com destaque para a disponibilização de insumos agrícolas e a assistência técnica nos campos de cultivos em todos os 23 distritos.

“Queremos uma agricultura envolvente e mais participativa entre jovens e adultos, entre homens e mulheres, orgulhando os seus praticantes e que sonhem em atingir níveis mais altos”, referiu o chefe do Conselho Executivo Provincial de Nampula, recordando que para a presente campanha iniciada, e no âmbito do programa SUSTENTA, foram admitidos 219 extensionistas, passando a província a contar com 525 técnicos que irão assistir um total de 114.852 produtores, nesta circunscrição geográfica.

Entretanto, Manuel Rodrigues recorda os fenómenos que na campanha agrária transacta condicionaram a prática da agricultura na maior parte dos distritos, dentre os quais, a lagarta do funil de milho, gafanhoto, podridão radicular da mandioca, entre outros que atacam as culturas. E como resultado, de acordo com o governante, cerca de 37.830 hectares de produção ficaram afectadas pelos fenómenos.

“É motivo não só, de se sonhar mais alto, mas também acreditar nas nossas capacidades de virmos a atingir um crescimento de produção nesta campanha que hoje lançamos na ordem de 7,4 por cento, o que equivale dizer que a próxima campanha agrária promete ainda mais. Queremos o volume a aumentar, já atingimos cerca de 11 milhões de toneladas e vamos crescendo, porque nós queremos chegar até aos 12, 14 e porque não 20 milhões de toneladas de produtos diversos, porque Nampula provou que é uma província que tem recursos humanos com capacidade e força e terras aráveis”, desejou.

Para o efeito, aos produtores, Manuel Rodrigues prometeu envidar esforços junto do seu executivo, no sentido de garantir a disponibilização de insumos agrícolas, nomeadamente, sementes melhoradas, tractores, pesticidas para o combate às pragas, bem como a assistência aos produtores pelos técnicos extensionistas existentes no sector da agricultura e pescas na província.

Ademais, “os pequenos agricultores e comerciantes emergentes já falam de quantidades que irão, de forma muito mais rápida, introduzir em termos da sua produção para que possam nos pôr a uma reflexão sobre a implementação efectiva da componente de agro-processamento. Nós queremos começar a processar maior parte dos nossos produtos aqui em Nampula para podermos, primeiro, valorizar o esforço dos produtores e, em segundo, a nossa produção seja valorizada e colocada no mercado nacional e internacional, o que poderá contribuir no aumento da renda familiar”, acrescentou.

Na ocasião, o governante apontou a falta da definição de preços que sejam sustentáveis, por um lado, e que compensem os esforços e motivem os produtores. Outrossim, apela à firmeza no combate à especulação e contrabando dos produtores agrícolas diversos, com maior destaque para a castanha de caju, uma das culturas bandeiras da província de Nampula e de maior rendimento económico em Moçambique. (Esmeraldo Boquisse *Foto: Hermínio Raja)