Namiteca poderá aliviar crise de água na cidade de Nampula a partir do dia 30 de Outubro

0
160
crise de agua na cidade de Nampula

Nampula (IKWELI) – Espera-se que a partir do próximo dia 30 do corrente mês de Outubro, os 10 furos de captação de água abertos pelo Fundo de Investimento e Património de Abastecimento de Água (FIPAG) na zona de Namiteca, bairro de Muahivire, estejam ligados a rede de distribuição do precioso líquido da maior autarquia do norte de Moçambique, o que poderá aliviar a pressão sobre a barragem de Nampula.

Segundo dados do FIPAG, Namiteca poderá incrementar os níveis de abastecimento de água na maior autarquia do norte do país em 20%.

Regularmente, entre o último trimestre do ano e o primeiro do ano seguinte, a cidade tem enfrentando crises no abastecimento de água, sobretudo quando não se regista a precipitação atmosférica como deve ser.

Preocupado com esta estacão, o governador de Nampula, Manuel Rodrigues, visitou o FIPAG para se inteirar dos esforços em curso para minimizar e/ou resolver o problema.

Rodrigues foi, directamente, ao campo, e neste caso visitou os 10 furos que estão em Namiteca, e pelo que viu aparentava um governante satisfeito com as soluções graduais que estão sendo encontradas para minimizar o problema de abastecimento de água na cidade de Nampula.

“De facto, nós estamos sempre preocupados com a situação de abastecimento de água na nossa cidade de Nampula, preocupação essa que se junta a província no seu todo, porque como sabem que a água é um líquido precioso”, disse Rodrigues no campo de Namiteca, para depois prosseguir que “sem o qual não há vida, e nós queremos que a população da província de Nampula, em especial aqui na cidade de Nampula onde temos cerca de um milhão de habitantes, tenha água”.

Por outro lado, o governante reconhece que a pressão no acesso à água tem sido intensa. “Nós temos que ter água para a nossa população”, clarificou Rodrigues, primeiro governador eleito de Nampula, para quem “é no quadro desta necessidade, que queremos acompanhar aquilo que é o progresso do trabalho que está a ser feito para minimizar este problema de falta de água na nossa cidade de Nampula”.

Actualmente, os níveis de encaixe na barragem de Nampula, construída sobre o rio Monapo, rondam aos 70%.

Depois de visitar aquele ponto, Rodrigues explicou que em “Namiteca nós temos 10 furos que já estão prontos. O trabalho já está concluído. Neste momento, decorre o trabalho de montagem de tubos de canalização para que a água possa se juntar a tubagem principal que abastece a cidade de Nampula, através do bairro de Muhala Expansão e de Muahivire Expansão, o que quer dizer que o que acabamos de ver aqui em Namiteca, os trabalhos, de facto, estão em 80% de execução”.

Com os 10 furos, o FIPAG passará a bombear mais 6 mil metros cúbicos de água, o que vai contribuir para suprir os níveis de abastecimento.

Em tom de apelo, Rodrigues disse que “vamos continuar a monitorar”, e que “como governo estamos muito preocupados. A população quer água, o governo quer água. Portanto, nós não queremos fazer manifestações e não queremos continuar a ter aquela situação triste das pessoas todos os dias terem que acordar com baldes na cabeça, percorrerem toda cidade”, porque “aquilo é uma vergonha, por isso mesmo a natureza nos dá essa água”, por isso com os furos de Namiteca “a cidade de Nampula não irá conhecer a situação triste que nós tivemos no ano passado, de estamos a ver tanta gente a andar com baldes a procura de água em tudo que é canto da cidade Nampula”.

A fonte está ciente que a solução, actualmente, encontrada é paliativa, por isso deve se equacionar a longo prazo soluções que estanquem para sempre o problema de abastecimento de água na cidade de Nampula.

“Para o caso específico da cidade de Nampula, a opção que nós temos é Monapo e tem de ser de forma abraçada, apesar de ser uma opção cara, porque envolve a questão dos recursos financeiros, porque terá que atravessar, praticamente, dois ou três distritos até chegarmos a cidade de Nampula”, sublinhou o chefe do Conselho Executivo Provincial de Nampula.

Por seu turno, Novais Soca, chefe do departamento Técnico do FIPAG – Área Operacional de Nampula, “neste momento, as obras estão, em termos de execução física, ao 83%. Isso representa um número muito bom para aquilo que é o cronograma para cumprir com a entrega das obras”, e que “temos a previsão de entrega das obas a 30 de Outubro, mas antes, obviamente, que vão decorrer aqui os ensaios da conduta adutora, e os ensaios de testes de equipamentos”.

Soca está ciente que essa não é a varinha mágica para tirar, em definitivo, a cidade de Nampula do problema de abastecimento de água, mas “ainda nos garante um conforto, porque a situação da albufeira, neste momento, é de 80% daquilo que é o volume de armazenamento”.

O responsável do departamento técnico do FIPAG refere que “ainda conseguimos fazer uma boa distribuição até finas de Outubro. Estamos a dizer que podemos estar a 60% e podemos continuar com uma captação de 60%, nessa altura, dado o acréscimo de 20%, que nós temos em Namiteca que são 6 mil metros cúbicos de água a bombar para a rede, nessa primeira fase, isso nos conforta muito em termos de abastecimento. Se formos a comparar com a situação do ano passado, até porque mesmo em relação aquilo que são os números de encache, este ano estamos mais confortáveis em relação ao ano passado”. (Aunício da Silva)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here