Há 4 anos que Amurane não descansa em paz

0
104

Nampula (IKWELI) – Passam nesta segunda-feira (4) quatro anos após o assassinato bárbaro do então autarca de Nampula, Mahamudo Amurane, cujo esclarecimento ainda está longe de se efectivar.

Familiares, amigos e admiradores juntaram-se no novo cemitério municipal da faina para, mais uma vez homenagear o malogrado, com lágrimas no canto do olho, lamentado a prematura morte do primeiro presidente que colocou a cidade de Nampula na nota de reconhecimento sobre a boa gestão da coisa pública.

De acordo com alguns políticos e líderes religiosos o não esclarecimento da morte macabra daquele que era considerado o “salvador” do povo de Nampula, representa mais que uma hipótese de que Moçambique está longe de celebrar a paz, daí a necessidade de se trazer a tona a verdade sobre o assassinato do então edil da capital provincial de Nampula.

Da cidade de Quelimane, província da Zambézia, colhemos a sensibilidade do presidente Manuel de Araújo que, de acordo com as suas palavras, a paz não é só a ausência de guerra, mas sim é justiça, reconciliação nacional e a melhoria de condições de vida da população.

Contudo, “se o nosso povo continuar a sentir os efeitos quer da guerra, quer da fome ou da pobreza não teremos paz. O facto é que não podemos falar de paz e reconciliação nacional sem que haja justiça, daí que é importante que crimes como estes do Mahamudo Amurane e do jovem Max Love, entre outros jovens assassinados onde os executores ainda não foram encontrados é imperioso que o SERNIC, a P.R.M, a Procuradoria-Geral da República, e outras entidades tomem a sério estes casos, encontrem os culpados e que os leve à barra da justiça”.

Para Araújo, não faz sentido que “passados quatro anos ainda não tenham encontrado os mandantes, nem os executores do crime”.

Igualmente, o autarca de Quelimane disse que “não faz sentido que volvidos oito anos os executores do Max Love, que é conhecido, o tribunal já sentenciou, mas até hoje, as nossas Forças de Defesa e Segurança não conseguem trazer o culpado. Isso não é democracia, não é reconciliação e não é paz”.

Da Comunidade Islâmica de Moçambique, o Ikweli entrevistou o sheik Maulana Muhammed que defende que o esclarecimento do assassinato de Mahamudo Amurane seria o melhor caminho de se mostrar o interesse que o Governo tem em alcançar a paz à favor do seu povo.

Embora que os indivíduos que assassinaram o edil não tenham assassinado os seus ideias, este entrevistado exige a transparência e o esclarecimento do caso pelas entidades de justiça.

No seu entender, “todo o presidente que entra na cidade de Nampula a tendência é chegar a meta do senhor Amurane ou muito mais que isso. Com isso significa que o seu legado ficou e nós esperamos que onde ele estiver fique bem. Mais ainda é que o moçambicano é pela paz e dissemos que quem nos traz o ódio nós lançamos o amor”.

Outrossim, Américo Sardinha, da Comunidade Sant’Egídio, disse estar na expectativa de que as autoridades esclareçam o caso de maneiras que aos poucos se desfrute dos efeitos da paz que o povo moçambicano almeja. Segundo as suas palavras, o esclarecimento do assassinato por desconhecidos do então presidente do Conselho Autárquico de Nampula, faria bem aos moçambicanos, com maior destaque para os nampulenses. (Esmeraldo Boquisse)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here