Nova Democracia lança alerta internacional sobre rapto de refugiados ruandeses em Moçambique

0
224

Maputo (IKWELI) – O partido Nova Democracia (ND) lançou, a partir de Maputo um alerta internacional sobre a crescente onda de rapto de refugiados ruandeses em Moçambique, aparentemente com cunho político.

Uma nota de imprensa emitida pelo ND aponta que “um pouco por todo o País, temos a presença de cidadãos Ruandeses que escolheram Moçambique como destino à luz da Convenção Internacional de proteção de refugiados ratificada pelo nosso País, condição legal para acolher e proteger pessoas que sofrem de deslocamento forçado, a recomeçar suas vidas”, não entendo assim esta onda de raptos.

Cronogramamente, o partido liderado por Salomão Muchanga afirma que “no dia 12 de Agosto corrente, as 15h 30min, BYIRINGIRO WELLARS, refugiado Ruandês e que é Secretário-Geral da Associação dos Ruandeses em Moçambique e seu irmão NIYONTEZE JEAN JACQUES foram raptados (em 22 minutos) no Bairro de Zimpeto na cidade de Maputo, tendo sido levados à Matola, mantidos na Esquadra Policial de T3 e libertados 24 horas depois, após forte intervenção da Comunidade Ruandesa junto do Governo”, e “no dia 23 de Agosto, faz 3 meses que o jornalista Ruandês NTAMUHANGA CASSIEN foi raptado em Nkanhaca e entregue a Embaixada do Ruanda em Maputo, não se sabendo até hoje o seu paradeiro e sem nenhum pronunciamento das Autoridades moçambicanas”.

“Os refugiados Ruandeses no País estão expostos à sua sorte e sofrendo graves atentados à sua condição de refugiados e inerente dignidade humana”, lê-se na mesma nota de imprensa, que prossegue afirmando que “a Nova Democracia, solidária com a comunidade Ruandesa em Moçambique, quer através deste alerta Internacional despertar ao País e ao mundo sobre a violação assistida dos Direitos Humanos com a cumplicidade das Autoridades moçambicanas, permitindo que cidadãos Ruandeses, com Estatuto de refugiados, sejam raptados ou extraditados extrajudicialmente para o País de origem onde seus direitos e integridade correm risco absoluto”, por isso que “ergue a sua voz de clamor em defesa do Estatuto de refugiados e o direito a vida em Moçambique”.

“Queremos lembrar e denunciar que o embaixador do Ruanda em Moçambique o senhor NIKOBISANZWE CLAUDE foi expulso da África do Sul em Março 2014, por perseguição a refugiados Ruandeses”, avança a mesma nota, cujo conteúdo temos vindo a citar, concluindo que “a Nova Democracia repudia com veemência e desprezo estes actos macabros e exige as Autoridades moçambicanas que se pronunciem a respeito dos raptos de 23 de Maio e 12 de Agosto”. (Redação)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui