SERNIC apresenta assassinos de Selemane Mussagi, entre os quais um bispo

0
595

Nampula (IKWELI) – O Serviço Nacional de Investigação Criminal (SERNIC), em Nampula, apresentou na manhã desta quarta-feira (7) três indivíduos, dos quais uma mulher, indiciados no envolvimento do assassinato do jovem Selemane Mussagi, a 1 de Junho do corrente ano.

Mussagi foi, barbaramente, assassinado numa das zonas mais movimentadas, e aparentemente seguras, do maior centro urbano do norte de Moçambique, Nampula, quando se dirigia a uma agência bancária, onde pretendia depositar, em numerário, mais de um milhão de meticais. Na ocasião, os malfeitores apoderaram-se do valor e puseram-se em fuga numa viatura, tendo da avenida Francisco Manyanga, local dos factos, rumado para a avenida do Trabalho no sentido sul-norte.

Ao todo, o SERNIC diz que o grupo era constituído por quatro (4) indivíduos, mas até a manha do dia 7 de Julho, apenas, três (3) tinham sido neutralizados.

“Foi um trabalho investigativo que culminou com a detenção do grupo aqui em causa. Estamos a falar de casos de roubos agravados ocorridos em Novembro do ano passado, Março e Junho do presente ano 2021, este último que ocorreu no dia 1 em frente ao banco BIM, concorrendo com homicídio”, disse à jornalistas Enina Tsinine, porta-voz do SERNIC em Nampula.

Na apresentação dos indiciados, a porta-voz deu a conhecer que o SERNIC recebeu informações do acto a partir do cometimento, tendo depois dado seguimento das pistas, sendo que foi possível a apreensão de uma arma de fogo do tipo pistola, na posse de um líder religioso, por sinal um dos membros do gang.

“No último caso nós fizemos a apreensão de uma pistola numa residência a partir de denúncias de populares, a qual dava conta que lá continha uma arma escondida proveniente de um cidadão que havia sido detido, e quando se viu em apuros, acabou deixando o instrumento numa residência abandonada. Portanto, os trabalhos iniciados culminaram com a detenção do bispo citado no grupo. Ele é um bispo de uma igreja, por excelência, que fazia o armazenamento do armamento que a quadrilha usava nos seus assaltos”, contou a fonte.

Selemane Mussage

Enina Tsinine explicou ainda que os supostos criminosos faziam a aquisição do armamento na cidade de Maputo, e que era transportado pela namorada do atirador ora foragido, através de uma transportadora inter-provincial com a rota Nampula/Maputo e vice-versa. Ademais, no assalto e consequente homicídio, os indiciados apoderam-se de mais de 1.000.000,00 (um milhão de meticais), valor este que de acordo com as suas palavras, foi partilhado para cada uma dos cônjuges dos membros do grupo.

Igualmente, “quem fazia o depósito dos valores, fruto de assalto é o senhor bispo, uma vez que os outros tinham o medo de se aproximar ao banco, sob riscos de serem identificados. A parceira, do atirador confirma e, temos na nossa posse, fotografias de residência que foi construída na cidade de Quelimane, fruto do mesmo valor roubado, bem como viaturas compradas através do mesmo valor, o que significa que o grupo não seria apenas actuante na cidade de Nampula, como também a nível do país”.

Para além de provas verbais, ou seja, testemunhas, a porta-voz do SERNIC em Nampula, adianta que existem mais provas que associam os indiciados ao crime, com destaque para a arma usada no crime, contas bancárias em que foram partilhados os valores resultantes do assalto, provas facilitadas pelo bispo, integrante do grupo.

Depois deste acto macabro que pôs fim a vida de um pai e esposo, o atirador abandonou a cidade de Nampula em direcção à capital moçambicana, tendo deixado a sua namorada e os restantes colaboradores. Outro facto não menos importante, segundo a fonte, o atirador que se presume que seja o cabecilha não vive a maior parte do tempo em Nampula, ele simplesmente tem seguidores e o seu trabalho é entrar e protagonizar os assaltos, e depois deixar as armas usadas no crime na mão dos seus parceiros.

Já nas mãos da polícia, os três indivíduos assumem a sua relação com o atirador, bem como a participação no crime. Exemplo disso é a namorada deste que, por presunção de inocência, omitimos a sua identidade. De 23 anos de idade e natural da província de Maputo, conta que chegou a Nampula com a intenção de estudar e, consequentemente, conheceu o namorado.

“Ele é meu namorado, foi no dia 2 de Junho que me pediu para organizar a sua mala porque tinha de viajar, urgentemente, para Maputo, depois o acompanhei para a estação de regresso. Entretanto, ele apareceu na noite do mesmo dia e me disse que não conseguiu viajar. E quando estávamos na cama o meu namorado contou-me que teria atirado em alguém em frente ao banco”, disse a indiciada, para depois afirmar que “o meu namorado é assaltante, eu conheci ele no ano passado na cidade de Maputo, mas ele disse-me que se eu contasse aos outros sobre o seu trabalho os seus amigos iriam à casa dos meus pais e assassiná-los”.

Outros dois neutralizados, dos quais, um vendedor de viaturas no mercado informal e o líder religioso, afirma que sabiam do lado criminoso do amigo, mas mesmo assim continuaram a encobri-lo. Aliás, “as armas estavam todas numa pasta e eu deduzi que eram pistolas, tudo porque ouvi pelos outros que ele era assaltante. Isso foi quando ele pediu-me que eu guardasse a sua viatura porque ele precisa(va) sair da Nampula de emergência, isto no dia 2 de Junho, ao que tudo indica que ia para a casa dele”, contou o cidadão de 29 anos de idade, por sinal o pastor que diz ser trabalhador de uma fábrica de chapas de zinco localizada na cidade de Nampula. (Esmeraldo Boquisse)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here