Entre consensos e desconfianças: discute-se a responsabilidade social e empresarial da Haiyu Mozambique Mining em Angoche

0
328

Nampula (IKWELI) – As 12 comunidades directa ou indirectamente impactadas pelo projecto de exploração de areias pesadas de Sangage, no distrito de Angoche, tem vindo a discutir com a direcção da empresa, o governo local, sociedade civil e a Assembleia Provincial as formas da sua inclusão e benefício pela actividade.

Em Angoche, a exploração de areias pesadas está a cargo da empresa Haiyu Mozambique Mining, firme de capitais chinesas, e desde a sua instalação na região as relações com as comunidades não têm sido das melhores, tanto que a Amnistia Internacional publicou, no passado, um relatório sobre a violação de direitos humanos na comunidade de Nagonha, uma das doze.

Para forçar a empresa e o governo a aceitarem a sua inclusão nos benefícios dos recursos minerais, as comunidades, com a assistência da sociedade civil, enfrentaram diversas batalhas, incluindo o bloqueio de vias de acesso para que maquinarias da empresa não passassem nos seus territórios.

Entretanto, diante das desconfianças, desconforto e ameaças, viu-se aberta uma janela de esperança e diálogo no processo da elaboração de um novo plano de responsabilidade social e empresarial da referida empresa.

O documento, elaborado por uma equipa de consultores de alto gabarito, foi resultado das preocupações colhidas nas reuniões realizadas com as 12 comunidades.

Já afinado e quase para a assinatura do Acordo de Desenvolvimento Local, há quem mantém ainda a desconfiança sobre a sua real implementação.

Na última segunda-feira (24), a sala de reuniões do governo do distrito de Angoche acolheu a última reunião de apresentação do referido plano.

Como manda a lei, foi o administrador distrital que presidiu a reunião, na presença do presidente da Assembleia Provincial de Nampula. Feita a apresentação, na fase de debate, os líderes comunitários ainda se mostravam reticentes em relação ao cometimento da empresa na efectivação do plano.

O que os líderes desejam é que as comunidades não apanhem migalhas da grande riqueza que detém. Devem ser incluídos nos benefícios de forma justa e honesta, e não como simples pedintes.

O líder da comunidade de Serema, por exemplo, queixou-se da poeira que é provocada pelos camiões da Haiyu Mozambique Mining no trajecto fábrica-porto, carregando o minério sem protecção e deixando, também, alguns restos no ambiente comunitário.

Quem, também, sente-se excluído dos benefícios da exploração de areias pesadas pela mineradora são os comerciantes que, a todo o custo, conseguiram entrar na sala de reuniões, mesmo sem convite formal para apresentar as suas inquietações.

Este grupo deixou claro que “devem fazer parte dos beneficiários”, mas o Dr. Morchido Momade, consultor da Haiyu Mozambique Mining rebateu que todos os residentes das 12 comunidades são mesmo beneficiários. (Aunício da Silva)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui