AMUSI acusa fábricas de cerveja de estar na origem da fome que assola Nampula

0
250

Nampula (IKWELI) – O presidente do partido Acção do Movimento Unido para Salvação Integral (AMUSI), Mário Albino, diz que a escassez de alimentos que se assiste, desde finais do primeiro semestre do ano passado, um pouco por toda a província de Nampula, pode ter sido provocada, também, pelas fábricas de cervejas cuja matéria-prima é a mandioca e o milho, considerados alimentos básicos das populações desta parcela moçambicana.

“Os nossos irmãos, no lugar de raspar a mandioca e conservar, de maneira mais aliciante, recolhem a mandioca antes da sua própria fase de colheita e alimentam as fábricas de cerveja”, começou por observar Mário Albino.

O político fez estes pronunciamentos durante a sua primeira aparição pública no corrente ano de 2021. Albino foi o candidato presidencial menos votado das últimas eleições realizadas no país.

“As mensagens mais fortes que encontramos é de que a população se queixa da pobreza absoluta, ao nível do país, e olhando aquilo que é a zona norte, a fome está a matar. No distrito de Muecate, concretamente na zona do Grácio, perdemos 35 cidadãos, para não falarmos do caso de Monapo, Memba, distrito de Ribáuè, então este é um assunto que inquietou o partido e não só”, referiu o político.

“O posicionamento do AMUSI face a esta situação, primeiro, repreendemos o sistema de governação porque, como sabem, Nampula nós produzimos muito, mas, por causa da questão de tantas fábricas de cerveja que nos assaltaram, a mandioca é recolhida e vendida a essas empresas, no lugar de ser processada para o consumo”, reiterou, acrescentando que “nós acreditamos que essas fábricas não têm aquilo que chamamos responsabilidade social em termos de custos ou apoio nessas zonas onde estão instaladas”.

A falta de assistência humanitária às famílias afectadas pela fome, sobretudo por parte do governo, é outra componente que inquieta o AMUSI. “Também, criticamos as entidades governamentais, porque nós assistimos noutras regiões quando há fome e quando há falta, até de água, vão lá camiões para dar alimentação às comunidades, e nós estamos em Nampula onde as pessoas estão a morrer de fome e assistimos dirigentes a dizerem que Nampula não há fome. Não só a questão da fome que assola a zona norte, para as pessoas que testam positivo para a covid-19, a atenção do governo não tem sido pontual”, salientou.

O apelo do presidente do AMUSI, numa altura em que se avizinha o período de colheita, é no sentido de que “os agricultores devem ser mais atenciosos, porque na hora de colheita, na verdade, os preços que aparecem são aliciantes e a população deve-se precaver, primeiro para ter uma reserva, mas também, acreditamos que com a pobreza absoluta vai ser difícil, a não ser que o governo lhes ajude. Portanto, o governo poderá financiar as pessoas para ter uma produção um pouco mais alargada e, de seguida, poderá obrigar as indústrias de cerveja a ter a sua própria machamba e a não assaltar aquilo que é a produção das populações”, precisou a fonte.

Refira-se que, os pronunciamentos de Mário Albino, acontecem numa altura em que o Presidente da República, Filipe Nyusi, inaugurou uma fábrica de cerveja, construída de raiz na província de Maputo. (Constantino Henriques)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here